quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Eu sou uma mulher submissa

 
 
 
Eu sou uma mulher submissa. Eu encontro o prazer, a alegria e a realização em ser submissa à outra pessoa em um relacionamento amoroso. Eu não sou fraca ou estúpida. Eu sou uma mulher forte, com pontos de vista firmes e um claro conceito do que quero fora da minha vida. Eu não sirvo por vergonha ou fraqueza, mas por orgulho e força. Eu sirvo meu Mestre amado em busca de orientação e proteção, porque nunca me sinto mais completa do que quando ele está comigo. Eu sei que ele protegerá meu corpo e minha alma com sua força e sabedoria. Ele é tudo para mim assim como sou tudo para ele. Seu toque me estimula e seus pensamentos me libertam. Somente servindo-o eu encontro a liberdade e a alegria completas. Suas punições são severas, mas eu as aceito agradecida, sabendo que ele tem meus melhores interesses sempre presentes em sua mente. Se ele desejar meu corpo para o prazer, eu o darei alegremente, e tenho prazer em saber que trouxe felicidade. Entretanto, o prazer da carne é apenas uma faceta de qualquer relacionamento. O amor, a confiança e o compartilhar, as palavras faladas e sentidas, tudo isso complementa esse relacionamento. Meu corpo é dele e se ele diz que eu sou bonita, então o sou. Não importa o que pareça para os outros. Eu sou bonita para seus olhos. E por causa disso eu levanto minha cabeça alto. Quem pode me dizer que meu Mestre é errado em ver beleza em mim? Se ele disser que sou sua princesa, então o sou...real e dignamente, e se eu vejo escárnio nos olhos dos outros, eu não ligo, porque quem são eles para chamar meu Mestre de errado? Se ele disser que sou seu brinquedo, sua cadela, sua vagabunda, então eu o sou...Tão devassa e suja como ele quer que eu seja, e se outros não virem isto, então eles são cegos, não meu Mestre. Minha mente é dele, para ampliar, explorar, para conhecer como somente ele pode. Eu não tenho nenhum segredo para ele...porque segredos são uma barreira que me impediria de ser mais perfeitamente dele. Eles poriam uma parede entre meu Mestre e eu... e eu não iria querer paredes. Suas lições não são sempre as que procuraria, mas são lições que ele decidiu que eu necessito, e assim eu aprendo com ele. Minha alma é dele e minha pele esta tão exposta a seu toque como poderia ser quando me ajoelho nua a seus pés. Nenhum momento é bom quando não sinto sua presença, esteja ele milhas afastado ou estando sobre mim. Se eu o desagradar, seu desagrado seria um golpe em minha alma, uma punição pior que todos os chicotes poderiam ser. A angústia que sinto em minha alma quando o decepciono é mais difícil de carregar do que a angústia física que sinto quando sua correia me acaricia com fogo. Eu passo os dias sabendo que a energia e pensamentos que ele põe em nosso relacionamento são mais para o meu benefício do que para o dele, e antegozo a cada adorada fantasia que realizamos juntos. Sua parte é muito mais difícil do que a minha, e eu sei disso e sou grata que ele se importe tanto comigo para gastar assim livremente seu tempo e sua energia. Eu tenho o trabalho mais fácil: para sentir, para experimentar, deixar-me ir e abandonar tudo por ele. Eu sou o seu prazer e sua responsabilidade e ele leva ambos a sério. Eu sou uma mulher submissa. Eu tenho orgulho de chamar-me assim. Minha submissão é um presente que eu não dou facilmente, e pode somente ser dada a quem apreciar esse presente e o retomar dez vezes. Somente aquele que tem essa vontade eu me dou inteiramente, porque eu sou forte e orgulhosa. Eu sou uma mulher submissa.
(texto de autoria desconhecida)

Um comentário: