quarta-feira, 4 de julho de 2012

Doutor eu gosto de apanhar ! Sou louco ?




Li este texto no perfil da Senhora LadyVulgata kkkkk adorei ...

Sera que sou louca !!!

Finalmente aconteceu! Você encontrou aquela pessoa sádica que te completa integralmente e ontem à noite vocês tiveram uma sessão de bdsm com tudo o que você julgou que seu tesão tinha direito: humilhação, espancamento, cuspida e tapa na cara, tudo de bom...

Amanhece o dia e você nem acredita...as marcas roxas ainda estão lá, deliciosamente doloridas, uma calça comprida, uma blusa de manga (sorte que no trabalho tem ar condicionado) e tudo está bem...

Chega no trabalho, começa a fazer o que tem que fazer, tudo parece que vai se dissipar na rotina, mas entre uma atividade e outra, flashes das cenas de ontem retornam à mente, você suspira, vai pro banheiro, abaixa as calças, acaricia a bunda marcada de vergões, retoma o trabalho...

No almoço percebe a inquietação. Como se finalmente a adrenalina baixasse, sua mente começa a ver tudo aquilo com "outros" olhos... e se... e se for tudo verdade? E se realmente, lá no fundo de mim, eu acreditar mesmo que sou o lixo que meu parceiro sádico falou... Credo! Isso lá é declaração de amor que se receba? "Meu bem, você é um lixo, a merda que eu vou me livrar em segundos na descarga, enfia a cara aqui no vaso que eu vou apertar o botão..."

Nada parecido com o sonhado, Shakespeareano, Hollywoodano e Janetclariano: "Meu bem, te amo, vamos juntos viver a galáxia de possibilidades de amor que a vida nos oferece, qual almas gêmeas, voando no infinito..."

Após um preocupado cigarro, você meneia a cabeça: "Isso é loucura...". Como tudo é urgente, procura esquecer a questão. Telefonemas, e-mails trocados com a alma gêmea sádica, mais humilhação, desprezo, a certeza de que não é alma gêmea, mas trigêmea, quadrigêmea, pangêmea porque seu parceiro sádico parece ter uma senzala de moinho de engenho no auge do ciclo da cana-de açúcar, você mergulhando no nada e, estranho, adorando.
  • "Peraí!" - você sabe que todas as pessoas de seu círculo baunilha de amizade fogem de desprezo e humilhação, principalmente nas situações de relação afetiva. Você corre para a estante e encontra aquela coleção de livros de auto-ajuda, uns que você ganhou, outros que sabe-se lá onde você estava com a cabeça, comprou... Constata com surpresa que sua coleção começa com um antigo exemplar de 1947 de Napoleon Hill (ei...esse era do vovô!), passando por Norman Vincent Peale, Joseph Murphy, Og Mandino, Louise Hay, Richard Carlson...sem contar alguns volumes de Carlos Castañeda (eu devia ter experimentado LSD...)... e ali estão as pérolas que buzinam no seu ouvido:
"Você é o que você pensa"
" Pare de se culpar por não ser boa o bastante"
" A culpa é inútil"
" Seja você mesma"
" A única pessoa que pode te amar é você"
" A única coisa necessária na sua vida é você mesma"
" O universo conspira a seu favor"
" Aja como se tudo já tivesse dado certo"
E então você cai na armadilha:
  • O que há de errado comigo?
Porque os manuais de auto-ajuda partem de um pressuposto ótimo: se você abriu um deles, unzinho só, é porque você acha que há algo de errado com você e por isso está buscando ajuda.
Seja uma pessoa econômica e refaça a pergunta:
  • O que há de errado?
A resposta vai aumentar bastante, vai ficar quase impossível responder, pois a lista começa da existência de baratas num universo em expansão, passa pelo fato de jacas nascerem em árvores, segue pelo cérebro de quem vota em George Bush (eu diria o cérebro de Bush se ele tivesse um...) e termina nos buracos negros escondidos em algum lugar da minha caixa de e-mail, onde somem aquelas mensagens mais necessárias...
Vê...há tanta coisa errada que nem há espaço para ver o que há de errado com você...
Porém, um novo flash e você se vê, de novo, de quatro no chão, com uma coleira de cachorro usada em volta do pescoço, comendo resto de comida numa tigela usada de cachorro... e então um arrepio de tesão lhe bate na base da espinha...ó céus...
Nessa hora, os céus em resposta se abrem, desce uma luz em sua mente e finalmente você consegue ver a verdade:
  • Eu...eu...eu sou masoquista!!!
(Pfff..demorou para perceber, né?) Claro, você sabia que a partir de um certo momento da sua vida, infância, adolescência ou adulta, as fantasias maso tomavam conta de parte de sua mente, mas eram fantasias... muita gente tem a fantasia de transar com Tom Cruise, mas Nicole Kidman parece ter cansado da brincadeira (ok, quem pode, pode)... ou seja, fantasia é uma coisa, realidade é outra...

Só que você passou no teste da realidade... a indignção ao ser humilhada é uma proteção do nosso ego ante a possível loucura do outro... e você descobre que não tem ou desligou essa proteção... você flutua agora num espaço sem limite que te faz dizer coisas meio esquisitas como "eu aceitaria ser marcada a ferro" ou "eu aceito ir nessa festa com uma coleira" ou "sim, eu vou lhe ser fiel até que a morte nos separe"...e é fiel mesmo.

Nova encruzilhada se abre... você pode simplesmente mergulhar de cabeça no masoquismo e querer experimentar "tudo" (desde tapa na bunda até enema pelo nariz) ou imediatamente começar a se perguntar "por quê?".

Mesmo que mergulhe de cabeça, seja pelo tempo ou por alguma experiência ruim com algum parceiro sádico, vai chegar o momento do porquê ou, mesmo, do para quê... para alguns haverá a fase do "prefiro curtir e não pensar nisso....", mas quanto mais você mergulha, mais você nota uma coisa: o masoquismo vai abrangendo todo o seu tesão... mesmo que seja um parceiro inteiramente baunilha, você busca extrair ao menos um tapinha... você vai percebendo que começa a ser seletiva e selecionada, o mercado sexual fica mais restrito, pois nem todo mundo é sádico ou masoquista como você...

Sem que você note, está percorrendo os becos escuros do gueto BDSM: chats do uol e do irc, lista femdom_brasil, blogs pra lá de pervertidos, rezando (pra que santo?) para aparecer um bar bdsm na sua cidade, achando uma locadora em que o atendente não arregale os olhos quando você tira "Hora da Mutilação I, II e III"...

Um novo estágio acontece no supermercado... antes você ia e ficava horas escolhendo o iogurte...morango ou ameixa? normal ou sem colesterol? com mel ou sem mel? Agora você pára na sessão de animais de estimação e acaricia longas coleiras de couro e pensa qual delas lhe ficaria bem... depois pára no setor de ferragens e vê aquelas cordas e correntes compriiiiidas... uma passadinha no setor de utilidades e imaginar como seria deixar escorrer a cera de uma vela com perfume de rosas pelo corpo... o atendente solícito lhe pergunta o tamanho de seu cachorro, sua mão se afasta das coleiras e você responde: não, eu não tenho, obrigada...

Você chega no caixa e a fila imensa estimula o devaneio... e se a conservadora senhora aí da frente for uma Domme? E se ela se virasse e mandasse você ajoelhar e lamber os pés dela ali mesmo? No meio do supermercado? A caixa grita; "Próximo" e num relance você a vê de corselete preto, de joelhos, te chamando para espancá-la... "Débito ou Crédito?" O devaneio se esvai...você vê que a realidade mudou muito...

Você vê que isso está saindo do controle...sua mente não pára...seu chefe lhe dá uma bronca e sua fantasia te vê com um salto de 12 cm pisando em ambas as mãos dele, fazendo ele implorar pelo seu perdão... no delírio supremo, Bush chupa o dedão do seu pé esquerdo e Bin Laden o de seu pé direito e você grita com os dois: "E chega de briga, hein?"
  • É, é hora de ir para a terapia...
Após passar por uns três terapeutas, finalmente você acha um que não se assusta nem se excita (muito) quando você fala que é masoquista...enfim, alguém com quem você pode conversar sobre seu estranhamento consigo mesma, sobre seu masoquismo. Em poucas sessões você descobre que:
  • é hora de mudar de emprego, você não gosta nada do que faz e nem sabe porque suporta seu chefe, já que ele não sabe o que faz e nem o que você faz;
  • é hora de mudar de supermercado, aquele que você vai te atende mal, põe meia dúzia de caixas para mais de duzentos carrinhos na fila, te atrasa, te azeda, te entendia e não valoriza o lucro que você lhe dá mensalmente;
  • é hora de rever seu relacionamento baunilha, o que você está não te satisfaz e você fica como criança que come pouco e depois se entope de doces, buscando algum carinho e atenção nos chats da vida...
  • é hora de...
Sim, há uma lista de problemas, uma lista de anomalias, mas, espera aí, nenhuma delas se refere ao seu masoquismo... Isso mesmo, você descobre que o transbordamento de seu masoquismo para tudo quanto é área de sua vida não é a causa de seus problemas, mas um sintoma...

Masoquismo não é fim, é meio, um meio de se ter prazer. Masoquismo pode se tornar uma obsessão, mas na maioria das vezes isso acontece porque a pessoa não tem mais outros meios ou fontes de ter prazer: um trabalho que a realize, relações que a estimulem, relacionamentos que a preencham... então, a única saída, é buscar prazer onde ele está à mão...

É por isso que se diz que quando o masoquismo atrapalha a vida pessoal, social e produtiva de uma pessoa, ele é uma doença. É sim, mas não é a causa, é o sintoma, o sintoma de que o repertório de fontes de prazer dessa pessoa ficou muito restrito e que o masoquismo está sendo um recurso para manter o que não devia mais estar ali...de jeito nenhum.

Aí você começa a dar jeito na vida, muda o emprego ou o chefe, bota ordem no relacionamento, faz compras pela internet e, finalmente, pode ser espancada....em paz!

(Fonte: Nação)


doce_aliz  simplesmente doce morena

4 comentários:

  1. Bela escolha, texto interessantíssimo.
    Deixo beijos para vc.

    {Λїtą}_ŞT

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vita_ST minha amada que delicia vc aqui ...

      Realmente quando li esse texto nao resisti e vim posta-lo ... e um retrato perfeito de nos ... me vi em muitas dessas situações rsss

      bjos meus


      doce_aliz

      Excluir
  2. ai amiga parabèns .. adorei o texto muito lindo amei mesmo ate cheguei a dar risada olha a foto ta perfeita viu bjosss

    ResponderExcluir
  3. Doce_aliz! DEPOIS DE UMA DÉCADA, que fui ver vc sua visitinha! Eeee bichinha avoada!
    Desculpa!
    Obrigada! De coração!

    E como sou uma curiosa, vim até seu cantinho, pois sou viciada em ler os blogs...e tem fundamento: foi através deles que consegui me comprender em minha essência.
    Sabe esse ser lindo aí acima? Mais conhecida como vita??? Kkkkkkkkkkkk. Pois é, eu a acompanhava seu blog quietinha, assim como tantos outros. Lendo, fui entendendo meus desejos e assim, tomei coragem de vivenciá-los.

    É bom perceber que as sensações são parecidas e que eu não estava só.

    Passo a te seguir e agora acompanhar!
    Beijos!
    {perséfone core}_DC

    ResponderExcluir